Nossos destinos   Contatos
          Morro de São Paulo   Fone (75) 3652 1551
          Salvador   reservas@rotatropical.tur.br
          Itacaré    
          Boipeba    
               
   
 

História de Salvador

   

A historia da cidade começa antes mesmo do descobrimento do Brasil, quando a terra ainda era habitada por índios tupinambás – que chamavam o local que anos à frente seria Salvador, de Kirymuré Paraguaçu. Após a chegada dos portugueses ao sul da Bahia em 22 de abril de 1500, dados históricos que relatam a chegada de um outro europeu na Baía de Todos os Santos: o piloto florentino Américo Vespucci que veio em uma expedição por volta de 1° de novembro em 1501. A costa da Baia de Todos os Santos continuou sendo visitada por diversas embarcações que iam para a Índia. Aqui os viajantes limpavam, vistoriavam e abasteciam os navios de mantimentos frescos.

Entre 1510 e 1511 um navio naufragou na costa de Salvador e desse acidente, apareceu na praia do Rio Vermelho o jovem português Diogo Álvares Correia, foi acolhido pelos índios e apelidado de “Caramuru” (enguia ou cobra do mar na língua dos índios). A origem desse apelido se deve ao fato de Diogo Álvares ter saído do mar enrolado em algas e das pedras que servem de habitat das enguias. Em 1530 chegou à Bahia Martin Afonso de Sousa com o título de capitão-mor e a incumbência de ser o governador do Brasil. Ao aportar na baía de Todos os Santos, a esquadra do novo governador teve a ajuda de Diogo Álvares – que já habituado e querido entre os índios - lhes deu informações sobre a terra e seu povo. O sistema de colonização e povoamento do Brasil, feito por dom João III, dividiu o território em Capitanias Hereditárias, e coube a Francisco Pereira Coutinho administrar a Capitania da Bahia de Todos os Santos, a partir de 1534. Após o falecimento do donatário da capitania e a criação do Regimento que reafirmava a soberania da Coroa Portuguesa sobre sua colônia, a Capitania da Bahia de Todos os Santos foi comprada. E depois de alguns meses de construção e reformas, foi fundada em 1549 a primeira capital do Brasil e sede do governo-geral: a cidade de Salvador, que foi a sede administrativa até o século XVIII, quando a capital foi transferida para o Rio de Janeiro.

Com o primeiro governador - Martin Afonso de Sousa - vieram colonos, a quem foram doadas terras para a criação de fazendas. Aqui se estabeleceram engenhos de açúcar e criações de gado, até então desconhecidos entre os primeiros habitantes. Os primeiros escravos africanos, as primeiras mulheres e um grupo de jesuítas também vieram durante o governo de Tomé de Sousa. Aos jesuítas ficou a obrigação de catequizar e impor a cultura européia aos índios. O segundo governador-geral da capitania foi Duarte da Costa, que entre centenas de pessoas trouxe o jesuíta José de Anchieta. Em seguida, o terceiro governador-geral nomeado é Mem de Sá que fica no poder até 1572. A cidade de Salvador crescia na condição de cidade-fortaleza e centro administrativo, passando a ter dois planos: a Cidade Baixa – que era o local de moradia da população - e a Cidade Alta – que abrigava o comércio da capital. Mas as riquezas existentes na capitania, sobretudo a facilidade da entrada de uma esquadra inteira na sua baía – apesar de ostentar fortes e baluartes – fez Salvador ser invadida diversas vezes por Holandeses. No ano de 1763, a capital do país foi transferida para a cidade do Rio de Janeiro. E em 1806, Napoleão Bonaparte decretou a proibição de qualquer intercâmbio e comércio com a Inglaterra – o “bloqueio continental”. E logo em seguida Portugal seria invadida e a família Bragança perderia o trono. Prevendo um possível ataque francês, os portugueses assinaram um convênio com Londres de que iriam se transferir o governo para o Brasil. Após serem separadas por uma tempestade, partes da esquadra portuguesa seguiu para o Rio de Janeiro e a outra parte aportou em Salvador em 22 de janeiro de 1808. A passagem da família real portuguesa por Salvador foi de grande importância. Dom João decidiu que seria criada a Escola Médico-Cirúrgica – a primeira faculdade de Medicina do Brasil. Mas mesmo com a vinda do governo português para o país e suas criações, o sistema continuou centralizado, burocrático e repressivo.

As mudanças ocorridas em Salvador após 1808 foram percebidas ao longo das visitas freqüentes de estrangeiros. Mas depois da Revolução de Pernambuco em 1817 e com a vinda de alguns presos políticos para a cidade, começou a se despertar o sentimento de independência em relação à Coroa Portuguesa. As reais manifestações para a independência do Brasil aqui na Bahia começaram em 1821. E apesar de Dom Pedro em 7 de setembro de 1822 ter declarado a independência da colônia, é o 2 julho de 1823 a data histórica que consolidou a separação política Portugal-Brasil. Os baianos comemoram a entrada do Exército Pacificador na cidade de Salvador e sua vitória sobre as tropas portuguesas. Até hoje, a Independência da Bahia é comemorada e são muitos os homenageados, entre eles o general Labatut (que chegou a participar do desfile de comemoração em 1849), além dos heróis anônimos (a figura do caboclo e da cabocla) e conhecidos como Maria Quitéria que é considerada a maior heroína na batalha do 2 de julho.

Após a independência a Bahia começou um período de evolução no que diz respeito à educação. Em Salvador foram criadas diversas escolas, a primeira a funcionar foi a Escola Normal em 1842, mas era delegada à aristocracia. E com a mudança da relação trabalhista, que passava do trabalhador escravo para o assalariado ou semi-escravo, viu-se a necessidade da criação de escolas primárias que formassem essas pessoas. A expansão da população de Salvador começou a exigir que os serviços públicos melhorassem. Em 1862, começou a existir iluminação a gás na cidade. E em 1871 foi inaugurada a primeira agência de comunicação a cabo submarino.

Uma inovação no transporte urbano veio através do engenheiro baiano Antônio de Lacerda: um sistema hidráulico que faria o transporte de pessoas da Cidade Alta para a Cidade Baixa. A construção desse elevador teve inicio em 1869, foi inaugurada em 1873 e em 1896 foi batizado de Elevador Lacerda. Através da Companhia de Transportes Urbanos, Antônio Lacerda trouxe para a capital baiana diversos bondes movidos à tração animal que ligavam os bairros da Piedade e da Graça, na Cidade Alta. Nos anos de 1907 e 1930, o Elevador Lacerda sofreu importantes reformas, inclusive a sua eletrificação e reforma estrutural.

Salvador possui entre outros acontecimentos marcantes, a descoberta do primeiro poço de petróleo brasileiro na década de 1940 feita pelo engenheiro Manuel Inácio Bastos. O local dessa descoberta foi o bairro do Lobato, no subúrbio. A base econômica da Bahia até o inicio da década de 1950 se baseava na produção agrícola, destacando-se a produção de cacau.

Porém, o advento da industrialização do país e da Bahia impulsionaram o crescimento populacional e econômico. A instalação da Refinaria Landulfo Alves e do Centro Industrial de Aratu, na década de 1960, e a criação do Pólo Petroquímico, na década de 1970, foram os principais fatos que levaram à urbanização da cidade de Salvador e do setor terciário, entre eles o Turismo. E é com essa visão empreendedora que diversas cidades da Bahia começaram no final da década de 70 expandir seu potencial turístico. Hoje Salvador é considerada um dos principais destinos do Brasil, sendo o turismo uma das principais atividades da sua economia.

  História de Salvador

História de Salvador

História de Salvador

História de Salvador

História de Salvador

História de Salvador

História de Salvador

História de Salvador

História de Salvador

História de Salvador

História de Salvador

História de Salvador

História de Salvador

História de Salvador

   
 
Indique para um amigo: Adicione aos favoritos:
Compartilhe:

 
LiveZilla Live Help
Ofertas especiais
Pensando em ir para Morro de São Paulo?
Pousadas em Morro de Sao Paulo
Confira aqui a seleção das 20 melhores Pousadas em Morro de São Paulo!
E que tal esticar
para Itacaré?
Pousadas de Itacaré
Confira aqui a seleção
das 20 melhores
Pousadas de Itacaré!
por WHL.travel, uma organização mundial voltada ao turismo sustentável.